Leve a sério o que ela diz é um convite para refletir sobre o imaginário do que é viver com doenças invisíveis. Este projeto começou em 2018 com base na memória do que ouvi várias vezes na minha infância: "Não leve tudo o que sua mãe diz a sério". O trabalho é composto por retratos de pessoas que vivem com doenças invisíveis e/ou que foram hospitalizadas em clínicas psiquiátricas em algum momento da vida. Todes foram convidades a escrever sobre como se sentem. Em processo de finalização. 

Esse trabalho foi produzido durante os anos de 2018 e 2019 no Grupo de Estudos e produção em fotografia e mídias correlatadas coordenado pelo artista André Penteado.

ENG
Take Her Seriously is an invitation to reflect on the imaginary of what it is to live with invisible illnesses. This project started in 2018 based on a memory of something I heard multiple times in my childhood: "Don't take everything your mother says seriously". The project is composed by portraits of people who have lived with invisible diseases or have been hospitalized in psychiatric clinics throughout their lives. Some of them were asked to write a text about how they feel about themselves. In the process of finalization.

This work was produced during the years 2018 and 2019 in the Study and Production Group in photography and related media coordinated by the artist André Penteado.

Por Xênia Melo

"Carta a uma sobrevivente | O mundo não ficará melhor nem muito menos mais tranquilo, tampouco ainda mais interessante, as sombras não se tornaram quentes raios de sol, nem as roupas voltarão a te servir. A única coisa que eu quero te dizer é que o desespero vai passar, ainda que ele pareça eterno e tenha uma força insustentável. (...) Eu não serei cínica e te dizer palavras bonitas, que você ficará melhor, eu apenas
serei sincera e dizer que você vai sobreviver, por mais frágil, volátil, insustentável e
inacreditável que aparente ser essa sobrevivência. (...) A loucura te dará uma excelente oportunidade de olhar a vida, ouso dizer que a loucura te trará uma profunda lucidez, uma capacidade de ouvir, olhar e enxergar os outros. Irá elastecer os limites e a forma como você se vê e enxerga o mundo, você estará livre para discordar de mim. Apenas se dê a chance da dúvida, você vai riscar sua pele com várias lembranças de que você sobreviveu e vai dar sentido a sua dor e angústia."

By Xênia Melo

"Letter to a survivor | The world will not be better, neither more peaceful nor more interesting, the shadows did not become warm rays of sunshine, nor the clothes will fit you again. The only thing I want to tell you is that the desperation will pass, even if it seems eternal and has an unsustainable force. (…) I will not be cynical and say beautiful words that you will be better, I will be just honest and say that you will survive, however fragile, volatile, unsustainable and unbelievable that this survival seems to be. (…) The madness will get an excellent opportunity to look at life, dare I say that the madness will bring a deeply lucidity, an ability to hear, look and see others. It will stretch the limits and the way how you see yourself and the world, you will be free to disagree with me. Just give yourself the benefit of the doubt, you will scratch your skin with various memories that you survived and it will make sense of your pain and anguish."

Isabella Lanave

Isabella Lanave, Brazilian, Latin American, Women Photographer, Photojournalist, Curitiba, Brazil.
Website via Visura

Isabella Lanave is connected to:
Visura site builder - build the best photography websites
Visura's network for visual storytellers
A photography & film archive by Visura
Photography grants, open calls, and contests
A newsfeed for visual storytellers